Feng Shui Lógico: Deus e a Natureza são uma coisa só

O problema do sofrimento humano persiste e é de difícil solução.

Existem várias formas de sofrimento humano, e podemos sofrer por várias razões:

– problemas de ordem material (falta de recursos para viver com tranquilidade e/ou formas inadequadas de gerar os recursos que temos);

– problemas de ordem física (doenças, dores e limitações);

– problemas de ordem emocional (carências, desajustes na área afetiva, doenças mentais);

– problemas de ordem espiritual (vazio existencial, tédio, falta de luz interior para a compreensão do sentido da vida).

E aí entra o conceito de Deus. Somos ainda muito incipientes para compreender de forma puramente racional, nos faltam muitos elementos, ainda obscuros, para podermos comprovar a existência de Deus de forma científica.  Essa questão exige que tenhamos desenvolvido a fé, a confiança quando percebemos a grandeza da Criação que pressupõe um Criador.

Quando nascemos, é como se nos encontrássemos dentro de um trem andando, sem muita noção de onde viemos nem para vamos exatamente. É preciso aprender a conviver com o Mistério que nos envolve em nossa trajetória no planeta que vivemos.

Essa é uma causa de angústia para aqueles que precisam de respostas para enfrentarem os desafios da vida. E para os que buscam de forma intensa, existe o recurso das religiões, que tem respostas transcendentais e que buscam despertar nosso eu mais íntimo, o ser espiritual que está em nós.

Para os que conseguem penetrar conscientemente nesse mundo tão restrito, a espiritualidade nos dá “razões que a própria razão desconhece”. Brota dentro de nós a confiança em viver a vida contando com esse amigo invisível que nos acompanha em todos os momentos, porque habita no mais recôndito de nosso ser.

E essa a meu ver é a maior resposta ao sofrimento humano que podemos ter: a espiritualidade nos sustenta nas variações inevitáveis das fases da vida que atravessamos e nos dá a paz necessária para mantermos a saúde mental.

Porque nos sentimos em nosso caminho evolutivo, e sempre há muito mais do que vemos para conhecer.

Foi esse o caminho que trilhei.

PARA QUE SERVEM AS RELIGIÕES?

Estamos entrando na Idade da Consciência, o Tempo Ômega da Era Cristã.

“Eis que renovo todas as coisas”. (Apocalipse)

Uma profunda necessidade de reconciliação de opostos e de integração para que o Novo venha.

Tudo está interligado

Comunhão com o Criador e Sua Obra: essa é a verdadeira religiosidade.

Se você aprender a respeitar e a amar a Vida que existe dentro de você
e a Vida que existe em tudo que te cerca com todas as tuas forças,
com todo o teu entendimento e com todo o teu coração, Aquele que criou a Vida estará sempre com você.

Completaram-se os tempos e nestes dias, muita coisa precisa ser reinterpretada.

Qual a verdade sobre o Criador?

A maior verdade é que ninguém jamais O viu.

Por mais que você se esforce para compreender a Vida, você conseguirá apenas teorias que podem ser desfeitas assim que novos fatos venham à tona.

Como tudo começou?

O silêncio do Criador ecoa pelos séculos. Para os que acreditam, sua única palavra foi Cristo. Foi o Seu Amor.

Conhecemos Suas obras em nosso planeta e é através delas que podemos nos dedicar a conhecê-Lo melhor.
Como crianças que estão engatinhando, vamos deduzindo que essa criação maravilhosa tem um propósito de Amor, de união amorosa.
E diante do fato de que somos seres únicos, só é possível a união com respeito pelas diferenças.
Muitos erros foram se tornando comuns ao termos interpretado tão erroneamente a mensagem de nosso amado Cristo, Jesus.
Podemos deduzir que somos uma experiência do próprio Deus, que está dentro de cada um de nós. Porque Ele é a própria Vida.
Mas até nos convencermos de que Ele está mesmo dentro de nós, sofrendo com nossos sofrimentos e rindo com nossas alegrias…

É um longo caminho.

Para mim, a grande resposta foi dada pela História de nossa Humanidade. Ao analisarmos o que funcionou, o que trouxe harmonia e prosperidade e o que não funcionou podemos forjar um futuro mais ameno.
Vemos com tristeza que a cegueira é ainda muito grande.

E a grande peneira está agindo, trazendo à tona a verdade dos resultados. O que é bom, traz maior bem. E o que não é bom, traz aprendizados, sabedoria e visão para evitar cuidadosamente o que não queremos mais: sofrer.

Mas não é tão simples assim: muitos ainda não estão neste primeiro estágio. Vemos líderes das mais diversas áreas ainda ensinando ou dando exemplos de situações resolvidas sem compaixão e sem visão de futuro, perpetuando a situação caótica que vivemos.

Muitos podem estar sentindo a falta de beleza, de arte, de sabedoria desses tempos caóticos.

Mas, como chegamos a esse ponto de irracionalidade? Onde a maioria já não usa a faculdade maior, o pensamento?
É o que tentaremos demonstrar.

Para que existem religiões?

A porta estreita é uma comparação para o funil que é passar da vibração reinante (mundo) para a vibração celeste (paz).Para a Quinta Dimensão em nossa vida terrena.
Antes dessa passagem somos como cegos, ou mesmo mortos.

Por isso, é necessário renascer EM VIDA passando pela porta estreita para entrarmos na dimensão da paz e da compreensão, onde não precisaremos perguntar mais nada.
Não porque já sabemos tudo (ao contrário, percebemos o infinito desse novo caminho) mas porque sabemos o que é preciso para termos a paz de coração, em união com o Criador, que irá nos ensinando tudo no tempo certo.

Não se iluda: querer contatar o Criador não é tarefa simples. Ele só se dá a conhecer a quem o busca com sinceridade e dedicação. E para isso faz uma exigência: é preciso buscar conhecê-lo com todas as suas forças, com todo o seu entendimento e de todo o seu coração.
Não adianta cumprir rituais, se eles não foram vividos por você nessa exigência fundamental.

Por isso que o mundo continua tão cheio de desequilíbrios apesar dos números astronômicos de “fiéis”.
Fiéis a quê? Na maioria das vezes, são pessoas que têm medo do desconhecido e sentem-se mais seguros cumprindo certas “obrigações”.

Com o avançar dos anos, muitas coisas sabemos por experiência própria. Manter nossa mente flexível para coisas que ainda não vivemos pode ser muito importante para nossa juventude de espírito. Por isso, a verdadeira sabedoria consiste em não negar o que já conhecemos e ao mesmo tempo ter a humildade de querer aprender sempre com as novas situações que ainda podemos viver.
“A experiência é a mãe da certeza” (Leonardo da Vinci)

Como conhecer em 60, ou mesmo 80 anos a incrível VIDA cósmica que nos cerca?

A evolução da alma é básica para entendermos a pedagogia de Deus, que enche vales e aplaina montanhas… através de nossas vidas no planeta Terra.
Qual a justiça que pode explicar as dores e dramas de nossa vida humana se não houvesse novas chances de viver as belezas da vida em equilíbrio?

A finalidade são os aprendizados que temos em cada uma, até chegarmos à verdade que permanece atrás do tempo e do espaço: a grandeza da Obra da Criação, e o desapego que essa verdade nos proporciona.

Nos tornamos imortais em vida, quando abrimos nossos olhos da alma e vemos além das aparências: o corpo é apenas um instrumento. É a alma que dá vida ao corpo.

Nos tornamos conscientes da Consciência, e isso nos torna éticos.

Amadurecidos em nossas emoções, podemos ascender a novos níveis de Vida e de Plenitude.

A pureza de intenção é a chave preciosa que abre o portal do reino em nosso coração.
E nos ensina a ver a realidade sob novos pontos de vista, além das aparências.

Para meditar:

O olho continua sendo a luz de nossa alma.

Encontrar o eixo da unidade na diversidade: essa é a missão do AMOR.

Na essência dessa verdade, a beleza indescritível da Vida que nos envolve. Só assim podemos ter olhos capazes de ver…
Comunhão com o Criador e Sua Obra: essa é a verdadeira religiosidade.

E como podemos fazer isso de forma prática?

Precisamos compreender a Vida de um outro ponto de vista: do Céu. Conscientizar-se de que vivemos em um planeta que gira em torno do Sol e viver de acordo com isso.

Existem períodos de tempo para a humanidade onde são necessários ajustes e mesmo uma verdadeira r(evolução) e renovação na forma de pensar.
Este é um deles.

Muitos conceitos tornaram-se obsoletos, e a própria forma de concebermos Deus e a Vida precisam ser atualizados e renovados. O Amor é um conceito sempre passível de evolução, porque o Amor é o próprio Deus em ação através de nós.

Nem há necessidade de dizer que Deus é um conceito altíssimo para nossa compreensão. As definições bíblicas demonstram que “Aquele que é, que era e que há de vir” transcende qualquer limitação de tempo e de espaço, com todos os costumes temporais.

Uma das marcas desse que chamamos de Deus mas que ninguém jamais na Terra viu é a simplicidade.

A vida humana afastou-se do equilíbrio com a vida da Natureza, que é quem sustenta a vida humana. Voltar-se a guiar-se pelo Sol de uma forma como ainda não existiu sobre a face da Terra começa a criar essa renovação tão necessária e a criar os laços energéticos com toda a Vida que acontece e que vibra como os sons de uma orquestra muito harmônica: o Sol e seus ciclos comandando todo o ritmo biológico em nosso planeta.

São Francisco já anteviu esse momento:

“Louvado sejas, meu Senhor, com todas as suas criaturas,

Especialmente o Maestro da Vida, o Sol, nosso irmão,

Que nos traz o dia, com sua Luz!

Ele é belo e radiante e tem grande resplendor:

É o mais perfeito símbolo de Ti, Sublime Senhor”

Essa é a função do Feng Shui Lógico.

Ser um instrumento para nos conscientizar de nossa interdependência da Natureza, e nos dedicarmos a fazermos parte conscientemente dela.

Suas técnicas proporcionam uma forma saudável de viver e reconectar-se com a Vida planetária dentro do incrível Universo que habitamos, criação divina.

As técnicas do Feng Shui Lógico são um auxílio para aprendermos a amar em equilíbrio e em conexão com as forças da Natureza.

Porém, a soberania do Amor sobre todas as coisas é indiscutível.
Para quem crê, nada pode ser maior que a força do Amor ensinado por Jesus Cristo.

Fazer um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *