QI, QE e QS: tipos de inteligências que podemos desenvolver

Cada um de nós precisa estimular os diferentes tipos de inteligência que temos de forma latente: QI,QE e QS.Nesse texto, vamos explicar cada uma delas.
Para conseguirmos um melhor equilíbrio emocional precisamos compreender que cada vida tem seu ritmo particular: é preciso respeitar o próprio ritmo.
Assim, não devemos entrar na sintonia do outro.
Precisamos manter nosso centro interno livre das influências externas.
E não se julgar culpado em relação às escolhas que os outros fazem.

QI, Quociente de Inteligência, é a capacidade de compreender e manipular símbolos matemáticos e lingüísticos;
QE, Quociente Emocional, revela nosso autoconhecimento, autodisciplina, persistência e empatia.

QI e QE podem trazer crescimento profissional e financeiro – porém, paz interior e alegria só com inteligência espiritual, QS, que é a capacidade de encontrar um propósito para a própria vida e de lidar com problemas existenciais que surgem em momentos de fracasso, de rompimentos e de dor.

Sem isso, até pessoas inteligentes e sensíveis às necessidades dos outros sentem um vazio nas próprias vidas.

QS (Spiritual Quocient), Quociente de Inteligência Espiritual, pode não ter nada a ver com religião. Muitas pessoas que se dizem religiosas têm sabedoria espiritual baixíssima porque agem mais por condicionamento (tradição, busca de vida social etc). No entanto, a verdadeira religiosidade, que busca compreender e estudar Deus, certamente nos leva a desenvolver nosso QS.

QS leva o ser humano a criar situações novas, a perceber, por ex., a necessidade de mudar de rumo.

Enquanto o QI resolve principalmente problemas de lógica, QE nos ajuda a avaliar as situações e a reagir a elas de forma adequada, levando em consideração os próprios sentimentos e o dos outros.
O QS nos leva a indagar se queremos estar nessa situação, se o nosso trabalho, por ex., está nos dando a satisfação de que necessitamos ou se esta é a vida que queremos levar.

Usamos a QS quando estamos em um impasse, quando enfrentamos as armadilhas de velhos hábitos ou quando temos problemas com doenças ou sofrimentos.

O QS nos mostra que temos problemas existenciais e nos aponta os meios de resolvê-los.

No início dos anos 90 o neuropsicólogo americano Michael Persinger e em 1997 o neurologista Vilayanu Ramachandran (Universidade da Califórnia) identificaram no cérebro o “módulo Deus”, que aciona a necessidade humana de buscar um sentido para a vida.

O “ponto Deus” mostra que o cérebro evoluiu para fazer perguntas existenciais, para buscar sentidos e valores mais amplos.
Esse questionamento não basta para acabar com o vazio da vida moderna. A grande sensação de plenitude acontece quando percebemos que tudo na vida está interligado, não existe separação no Universo e que fazemos parte de uma grande família cósmica.

Isso nos proporciona um sentimento de apoio, identificação e proteção. Nos sentimos amados, necessidade básica do ser humano.

Segundo Danah Zoahr (psicóloga e filósofa), autora do livro Inteligência Espiritual, a Inteligência Espiritual dá à pessoa a capacidade de avaliar o sentido da vida e é a base do QE, inteligência emocional, e do QI.

Definindo,
A inteligência espiritual capacita o ser humano a refletir sobre o sentido da própria vida e a lidar com os problemas existenciais, de acordo com psicólogos, filósofos e teólogos.

Alguns sinais de inteligência espiritual elevada:
– Capacidade de ser flexível
– Grau elevado de autoconhecimento
– Capacidade de enfrentar a dor
– Capacidade de aprender com o sofrimento
– Capacidade de se inspirar com idéias e valores
– Relutância em causar danos nos outros
– Tendência para ver conexões entre realidades distintas (Ex:Feng Shui Lógico)
– Tendência para se questionar sobre sua ações e desejos, com perguntas como:
– “Por que agir de tal maneira?”, ou: “O que aconteceria se eu agisse de outra maneira?”
– Capacidade de seguir as próprias idéias e ir contra as convenções.

Para desenvolver a inteligência espiritual, comece se fazendo estas perguntas:

– Quais os meus limites?
– Por que certas coisas me incomodam?
– Qual o meu propósito de vida?
– Estou sendo verdadeiro com este propósito ou o estou traindo?

Podemos considerar a dor como desafios e mesmo como oportunidades.
Assim, em vez de culpar a empresa por um trabalho sem sentido, pode-se tentar melhorar o trabalho ou procurar outro emprego.

É preciso assumir a responsabilidade pela própria vida e tentar transcender a dor e os obstáculos.

Podemos aumentar a autoconsciência que leva à QS através da meditação ou da leitura de poemas ou trechos de livros que ativam sentimentos de transcendência em nós.

Matéria baseada em reportagem da Folha Equilíbrio de 11/10/2001

Stela Vecchi é escritora e consultora de Feng Shui.
Autora do livro Feng Shui Lógico (Ícone Editora, SP, 2004), ministra cursos de Feng Shui Lógico, técnica que favorece a felicidade porque deixa sua casa harmoniosa e plena de energia benéfica.
Autora do livro No Céu do Hemisfério Sul – Brasil, um Novo Começo, onde analisa a bandeira brasileira de um ponto de vista inédito.
Seu último livro, O Caminho da Sabedoria, é sobre o amor e sobre o verdadeiro significado dos relacionamentos amorosos em nossa vida.

Visite também o site: www.fengshuilogico.com