Declaração dos Direitos Humanos – 1948

Em 1948 surge em nosso horizonte humano a luz da união entre tudo e todos.
Marca o início da Família Cósmica

Fruto do aprendizado gerado pelos sofrimentos causados pelas I e II Guerras Mundiais, nasce a Declaração Universal dos Direitos do Homem. A família cósmica já é o presente da Humanidade.

Para refletir: a partir desta Declaração, o planeta Terra começa a fazer parte de um novo código em consonância com as Leis Universais.

Esse é o grande início da Nova Era entre nós.
No plano mental, no plano das idéias, está forjada a Nova Humanidade.
Nossa ação coletiva é fruto de nossa concepção e ação individual. Cada um de nós com suas ações e pensamentos retarda ou apressa a materialização efetiva dessa realidade.
Por isso, você é muito importante no processo que vivemos para criar uma sociedade melhor.


Preâmbulo

CONSIDERANDO que o reconhecimento da dignidade inerente a todos os membros da família humana e de seus direitos iguais e inalienáveis é o fundamento da liberdade, da justiça e da paz no mundo, CONSIDERANDO que o desprezo e o desrespeito pelos direitos do homem resultaram em atos bárbaros que ultrajaram a consciência da Humanidade, e que o advento de um mundo em que os homens gozem de liberdade de palavra, de crença e da liberdade de viverem a salvo do temor e da necessidade foi proclamado como a mais alta aspiração do homem comum, CONSIDERANDO ser essencial que os direitos do homem sejam protegidos pelo império da lei, para que o homem não seja compelido, como último recurso, à rebelião contra a tirania e a agressão, CONSIDERANDO ser essencial promover o desenvolvimento de relações amistosas entre as nações, CONSIDERANDO que os povos das Nações Unidas reafirmaram, na Carta, sua fé nos direitos fundamentais do homem, na dignidade e no valor da pessoa humana, e na igualdade de direitos do homem e da mulher, e que decidiram promover o progresso social e melhores condições de vida em uma liberdade mais ampla, CONSIDERANDO que os Estados-Membros se comprometeram a promover, em cooperação com as Nações Unidas , o respeito universal aos direitos e liberdades fundamentais do homem e a observância desses direitos e liberdades, CONSIDERANDO que uma compreensão comum desses direitos e liberdades é da mais alta importância para o pleno cumprimento desse compromisso, Agora, portanto,

A ASSEMBLÉIA GERAL proclama A PRESENTE DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS DO HOMEM como o ideal comum a ser atingido por todos os povos e todas as nações, com o objetivo de cada indivíduo e cada órgão da sociedade, tendo sempre em mente esta Declaração, se esforce, através do ensino e da educação, por promover o respeito a esses direitos e liberdades, e, pela adoção de medidas progressivas de caráter nacional e internacional, por assegurar o seu reconhecimento e a sua observância universais e efetivos tanto ente os povos dos próprios Estados-Membros quanto entre os povos dos territórios sob sua jurisdição.

Artigo I – Todos os homens nascem livres e iguais em dignidade e direitos. São dotados de razão e consciência e devem agir em relação uns aos outros com espírito de fraternidade.* Artigo II – 1. Todo homem tem capacidade para gozar os direitos e as liberdades estabelecidos nesta Declaração, sem distinção de qualquer espécie, seja de raça, cor, sexo, língua, religião, opinião política ou de outra natureza, origem nacional ou social, riqueza ou qualquer outra condição.
2. Não será também feita nenhuma distinção fundada na condição política, jurídica ou internacional do país ou território a que pertença uma pessoa, quer se trate de um território independente sob tutela, sem governo próprio, quer sujeito a qualquer outra limitação de soberania.
Artigo III – Todo homem tem direito à vida, à liberdade e à segurança pessoal.

yin_yang_dia_noite

Nota: A palavra homem poderia ser substituída por pessoa, abrangendo melhor a idéia de homem ou mulher.
* As palavras de Jesus Cristo, ditas quase 2000 anos antes desta Declaração, Amai-vos uns aos outros como Eu vos amei, são muito semelhantes à essas.


Download grátis – Leia O Caminho da Sabedoria, de Stela Vecchi

Capa Caminho

34 Comentários

Fazer um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *