A energia sexual banalizada afeta nosso equilíbrio emocional

A energia sexual é poderosa e exige cuidados: pode fazer tanto bem como mal para o nosso campo energético, nossa órbita pessoal.

Na clássica questão religiosa, somos ensinados que a maior função do sexo é a procriação. É evidente que não, o sexo é uma forma profunda de alimentar nossa sede de união, de afetividade sadia, de sermos incondicionalmente aceitos pelo outro por quem ansiamos.

A sensação única sentida por essa experiência preenche nosso ser de uma forma tão profunda que a partir daí nos sentimos uma nova pessoa, revelada pelo afeto recebido. Nos sentimos seguros e autoconfiantes, porque nos sentimos de fato aceitos, que é uma necessidade básica de todos os corações. Essa experiência, quando autêntica, tem o poder de nos transformar.

Creio ser essa experiência a chave para amadurecermos nossa emoção a ponto de nossas águas (temos 2/3 de água em nosso corpo, que correspondem ao nosso corpo emocional) tornarem-se estáveis, nos colocando em um novo patamar de compreensão e felicidade humanas.

Para incorporarmos essa virtude em nossa personalidade, o que conta não é a quantidade de relações, mas a qualidade desses momentos tão intensos que vivemos.

Sem uma admiração sincera e profunda, uma vibração que envolve os amantes em uma aura forte e luminosa e os coloca em uma espécie de redoma energética, não há possibilidade desse estado ser atingido.

O clima para ser forte não pode atingir apenas nosso corpo físico (o último a reagir, na verdade) e inicia-se com a admiração pela personalidade da pessoa amada, em um nível que vai além do que nossos olhos humanos podem perceber. Essa admiração se intensifica através dos olhares e das palavras, principalmente as que não são ditas, que estão no ar… Tudo é magia quando se atinge esse estado.

Se aguardássemos esse sinal para entrarmos de fato em uma relação sexual, evitaríamos a banalização de uma força poderosa, que exige conhecimento e a devida reverência para manifestar-se. Essa reverência também é a admiração pelo parceiro(a) e sem isso, o sexo pelo sexo apenas vampiriza nossas energias pessoais.

Sexo com admiração e reverência transforma-se em comunhão e alimenta nossos quatro corpos: espiritual, emocional, mental e físico. Pode por isso nos fazer conhecer o Amor Cósmico, a vibração que envolve os astros e as estrelas do céu.

Na verdade, nosso amado planeta Terra também está no céu, portanto também podemos, se quisermos, nos harmonizar com essa suave e deliciosa vibração.

vida

O sexo banalizado nos enfraquece.

Leia:
Capa Caminho


Download grátis – O Caminho da Sabedoria, de Stela Vecchi

Publicado na Coluna Casa e Energia Ponto dos Noivos
www.pontodosnoivos.com.br

One Comment

Fazer um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *