A verdade que liberta

O discernimento, capacidade de quem é livre, substitui as regras:

Uma boa árvore dá bons frutos. Essa é a forma de classificar as ações boas e más: através dos frutos que dão. E ninguém tira figos de macieiras: cada árvore dá seu tipo de fruto.
E assim nosso mestre nos instrui na forma como devemos conhecer o bem e o mal.
Então, o que me faz bem, aumenta minha compreensão, minha paz, me faz bem. Ao contrário, aquilo que turva meu coração, me deixa ansioso, e me faz tratar sem consideração meu próximo, me faz mal.
Há coisas que me afastam de meu crescimento (são as tentações, isto é, quando percebo uma situação pelas aparências dela, não pela sua essência, isto é, as ilusões), e outras me ajudam a crescer.

Fazer um Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *